Que é História?

Há tantos quadros na parede
Há tantas formas de se ver o mesmo quadro
Há tanta gente andando pelas ruas
Há tantas ruas e nenhuma é igual à outra

Esse trecho da música “Ninguém é igual a ninguém” dos Engenheiros do Hawaii resume bem o que deve ser entendido como história. Não existe uma história estática. Nossos conceitos mudam, nós amadurecemos; isso muda a forma que enxergamos o mundo.


“O homem que mantinha exatamente a mesma opinião
sobre a revolução francesa de 1789 em 1794, em 1804, em 1814 e em 1834,
teria sido um profeta divinamente inspirado e um obstinado imbecil.”

A compreensão de um fato sofre ação de nossas paixões, de nossos gostos e da época em que vivemos. Só com o passar do tempo é que podemos ter uma visão mais objetiva do que realmente aconteceu (ou não).

Não existe história errada, apenas pontos de vista diferentes. Imaginem a seguinte situação:
Roberto briga com sua esposa e sai para beber e esfriar a cabeça. Durante sua ausência, seu filho passa mal por ter ficado na rua desprotegido do frio e da poeira e sua esposa liga para que ele vá às pressas para casa para levá-lo ao hospital. Já sob efeito do álcool, Roberto entra numa rua mal iluminada e mal sinalizada e acaba atropelando Marcos, que por sua vez saía de casa no meio da noite para comprar cigarro. De quem foi a culpa do acidente?
a. De Roberto, pois estava dirigindo bêbado 
b. Da dependência de Marcos, que o levou a sair de casa no meio da noite 
c. Da esposa de Roberto, por ter brigado com ele 
d. Das autoridades, que negligenciaram a iluminação e sinalização da rua de Marcos 
e. Da mulher de Roberto, que ligou para que ele fosse correndo pra casa

Se esse fato houvesse ocorrido no Brasil, a culpa cairia toda em Roberto. Mas se estivéssemos sob um regime de toque de recolher noturno, a culpa seria de Marcos

Todas as alternativas estão corretas, depende de quem conta a história e de onde essa pessoa está; bem como dos sentimentos que aos quais ela está submetida. O trabalho do historiador é investigar todos os fatos e contá-los por ordem de relevância com o máximo de imparcialidade possível. O resto do trabalho fica com o leitor!


fontes:
Que é História? - E. H. Carr - 5ed. 1987

Nenhum comentário: